Voltar


Campanha gaúcha é o novo polo

O Rio Grande do Sul, berço do processo de produção de vinhos de qualidade no Brasil, passa por um momento, de forte expansão no seu sistema de produção. A região da Campanha Central, tradicional produtora de arroz, soja e pecuária de corte, está mudando suas paisagens com a instalação de parreirais e de vinícolas. O processo não é novo, mas nos últimos cinco anos ganhou grande impulso.

No município de Santana do Livramento, situado no paralelo 31, encontra-se um pólo vitícola implantado e consolidado há mais de 20 anos. Na década de 80 foi desencadeado o Projeto Palomas, que resultou na Vinícola Almadén (National Distiller/VSA), e possui atualmente cerca 500 hectares de videiras européias. Mais recentemente, foram instalados parreirais da Santa Colina e da Juan Carrau (Château Lacave ).

Nessa região, o perfil da propriedade difére daquele existente na Serra Gaúcha. Trata-se de um tipo de exploração empresarial, em grandes áreas, com uso intensivo de capital, tanto na mecanização quanto na contratação da mão-de-obra. A uva produzida nesse pólo já representa cerca de 15% da produção de uvas viníferas do Estado, segundo dados da Embrapa Uva e Vinho.

Este índice deve ser ampliado significativamente nos próximos anos, pois novas áreas estão sendo implantadas. Além disso, vinícolas tradicionais criam unidades na região. Em 1997, com a atuação do Comitê de Fruticultura da Metade Sul, que cumpre o papel de agente articulador nas microregiões do Sul do Estado, fazendo a necessária ligação destas com os governos estadual e federal, fomentou-sea organização de várias associações de fruticultores. De forma organizada, elas tiveram condições para implantar os primeiros pomares comerciais na região, iniciando a consolidação da fruticultura na Metade Sul do Rio Grande do Sul. Hoje, 1,3 mil hectares de uvas viníferas estão plantados.

CLIMA

A condição fundamental que permitiu à fruticultura se tornar realidade na Campanha foi o clima, altamente favorável à atividade e similar ao da região do Mediterrâneo, o que cria
situação propícia para o cultivo de uvas viníferas. O solo é casltuaçao proplcla para o cultivo de uvas Vlníteras. O solo é caracterizado pelas condições físicas necessárias à cultura, como boa drenagem, profundidade elevada e baixo potencial de compactabilidade.

No município de Candiota, a Vmícola Miolo começou em 2001 a implantação de vinhedos de uvas viníferas com 50 hectares e previsão de expansão progressiva até 400 hectares. A Vinhos Salton firmou parceria com produtores de Bagé para a produção de uvas (viníferas européias. Atualmente, o município tem 135 hectares de videiras implantados e plantará mais 60 hectares em 2003. A Vinícola Aurora se instala em Dom Pedrito e oito empresas do setor vitivinícola investiram em Encruzilhada do Sul nos últimos dois anos. Só nesta cidade, a área de plantio chega a 220 hectares, com projeção de atingir mil hectares nos próximos cinco anos. Outras empresas setor vitivinícola investiram em Encruzilhada do Sul nos últimos dois anos. Só nesta cida de, a área de plantio chega a 220 hectares, com projeção de atingir mil hectares nos próximos cinco anos. Outras empresas


Voltar